Minha Eloquência

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Comum !

Sublime gosto da vida.

Uns vão de avião, outros não se importam, não pensão !

Seguem-se este sublime, sem questionar, opinar ou entender !
Vão, vão e vão !

Mas, mesmo assim, ainda sublime gosto da vida.

Outros.

Ficão, ficão e ficão.
Pensando,
analisando,
questionando,
caracterizando,
talvez, amaldiçoando.

Oh gosto comum, senso comum, liberdade falsa, falsa arte, falso falsete, falso o primeiro Fausto (Trata-se, sim, de enganar o diabo !).



"Quis custodiet ipsos custodes?"

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Si No Te Hubieras Ido

"Si que era tan diferente cuando estabas tus... "

O violão canta, soa suas notas apenas em meus ouvidos...
Eu cantarolo, canto, grito, ao mundo e o ritmo da vida me parece muito mal.

Vou a padaria, mercado, aos amigos, a televisão e as pessoas passam e passam tão iguais...
e os maços de cigarros acabam rápidos, os cinzeiros estão cheios.
O espelho não mente, me vejo tão diferente me falta...
eu pergunto a mim mesmo, aos amigos, estranhos...

"Y no se donde estas "

Meu amor...


quinta-feira, 30 de junho de 2011

Amor

é como um vício !
Uma droga... como a heroína.

Insaciável...
Inexplicável sabor...
Incurável...

Eu vou ao vício, mas ela não me deseja.

Tenho que rejeita-la, afasta-la de mim.
Tenho que sorrir sem você

terça-feira, 28 de junho de 2011

Que queres?

Eu caminhei, corri, descansei e logo depois andei mais um pouquinho.
Deus...
-Deus, meus passos foram todos em vão?!
e o sofrimento, a dor...
A dor é natural enquanto se caminha, nos pés acumulasse bolhas, o ácido láctico dos músculos resulta em câimbras, o suor assam a pele...
-Por favor Deus...
é o que eu penso.

-O que queres de mim?

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Faz um tempo que escrevi

" Eu sei das suas vontades comigo e, também sei, que por enquanto não ando correspondendo, pois por muitas vezes eu me nego a falar ou a agir.
A minha vida, o que sou hoje, já não pode ser dita sem dizer o seu nome, sem pensar que você não esta ali do meu lado.
O meu maior medo hoje, não é parar a faculdade ou ficar trabalhando de segunda a segunda, mas sim te perder.
Perder a sua companhia seria como se eu perdesse o meu apoio, a minha orientação.

Por mais que eu parece dizer foda-se para tudo, eu tenho um ponto fraco. E você é meu ponto fraco, eu não consigo suportar, nem em pensar, em perder você.
O tempo me machuca, ele corre contra mim, contra quem eu quero do meu lado. Ele vai anunciando sua partida !
Mas ao mesmo tempo que hoje ele ta sendo meu inimigo, quando você se for em um avião, ele vai ser meu amigo e vai passar para que você volte para mim !
Meu coração, com certeza, vai com você. Cuide dele para mim ! "

Foi escrito algum tempo, mas ainda vale...

domingo, 12 de junho de 2011

Almoço de domingo

O trigo na água, para amolecer, descansar.
Tomate picadinho, com temperos. Cebola, alho, sal, pimenta, hortelã, salsinha, sem uva passa !

-Ah falta o azeite !

A mesa, do almoço, só os descansos de panela, talheres e 1 prato.

Grão de bico, molinho, com cebola e salsa.

-o almoço quase esta pronto !
mas ainda há somente um prato.

O arroz a cozinhar, a chaleira fervendo a água.

-só mais 5 minuto.

A maionese vai batata, maça, ervilha, milho.

- Pronto, esta servido o almoço ! Que maravilha !

tem um lugar a mesa, inerte a cadeira.


-Humm... falta tempero !
Falta você,
falta o tempero da vida.

Vem que o almoço ta na mesa !

sábado, 11 de junho de 2011

Sí menor !

o único som, audível, são o dos meus pés com o contato do chão.
A cabeça pesada !
No espaço mais nada, só o caminho !
eu e o caminho.

Quero o gosto de novo,
o calor !
ainda quero minha companhia.
quero seus beijos.
Minha casa !
Meu lar !

"Por que esta amanhecendo?
Se eu não vou beijar seus lábios quando você se for. "

eu vou chutando as pedrinhas que estão no caminho, bravo com a vida, chateado. Como um menino que não sabe o que fazer.

"Correm em meus dedos longos, versos tristes que invento "

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Sempre

"sempre", um advérbio de tempo.


O tênis, agora é novo.
O maço de cigarros no bolso.
Mas a cabeça esta ficando velha.
O corpo cansado.
e, agora, no final a casa não vai estar mais lá !
você não estará mais lá.
Nem mais a me esperar.
A casa foi levada.
Talvez foi o vento ou a água ou a tormenta.

e o sempre, enfim, mentiroso, como sempre, acabou !

"Não foi por falta de tentativa nem por amor. Mas não consigo mais. Obrigada pelos momentos felizes! Bjos "

Adeus meu amor !
Adeus meu coração !

segunda-feira, 2 de maio de 2011

A rede

A rede balança, o vento frio me faz ficar de blusa, e o chuvisco não pára.
Logo mais a chuva substitui a garoa, vai preenchendo a rua.
O vento calmo se transforma em um sopro forte tornando meu equilibrio instável.
Eu me esforço, seguro, agarro, cravo as unhas em um esforço brutal para não cair.
Bordamos linha a linha, hora eu, hora você, hora eu segurando o pano, hora eu com a agulha. Talvez de perto ela não seja perfeita, alguns dedos furados, algumas gotas de sangue, mas lá está ela como um todo e tenho certeza que esta é a mais linda rede, no qual o pano você me deu.
A rua esta cheia d'agua, as bocas de lobos já não suporta, e tudo, como se em um instante, enche.
O vento forte se transforma em ventania.
Meu esforço, minha garra, me equilibra.
Eu não largo, pois lá esta meu esforço, o meu amor.
Tenho certeza, a corda não vai estorar ou desfiar, vai aguentar !


e eu tenho certeza... eu te amo !





domingo, 19 de dezembro de 2010

ao meu lado

"Eu só queria te dizer que eu estou triste."
foi o que eu escrevi.
E queria também que você ficasse ao meu lado na festa, assim como todos casais estavam, e não gritando gesticulando fazendo todos darem risada,
eu também queria dar risada,
te levar pra casa,
queria que você ficasse do meu lado !

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

E esta tudo em silêncio

Não consigo dizer,
hoje não vou falar, quero só escutar, daqui a pouco vou trabalhar e também não vou querer falar, vou chegar a noite e não vou dizer a ninguém e vou dormir, dormir calado.
Eu não vou dizer vou apenas sentir, sentir o quanto eu sou um fracassado
Eu sou um fracassado !

"É como se a gente
Não soubesse
Prá que lado foi a vida
Por que tanta solidão?
E não é a dor
Que me entristece
É não ter uma saída
Nem medida na paixão...

Foi!
O amor se foi perdido
Foi tão distraído
Que nem me avisou
Foi!
O amor se foi calado
Tão desesperado
Que me machucou...

É como se a gente
Pressentisse
Tudo que o amor não disse
Diz agora essa aflição
E ficou o cheiro pelo ar
Ficou o medo de ficar
Vazio demais meu coração...

Foi!
O amor se foi perdido
Foi tão distraído
Que nem me avisou
Nem me avisou!
Foi!
O amor se foi calado
Tão desesperado
Que me maltratou..

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

em minhas mãos...

somente você mesmo pode me dizer as ruas em que você andou, pois eu, eu só andei por ai. Andei muito no frio, e também no calor.
E as fotos das casas, dos rostos estão em minha memória e não impressas no físico.
A suas me remete a um sentimento de extrema felicidade, onde nunca a vi chorar ou se cansar.
Eu roubei seu elixir.
Estou em dívida,
é assim que eu me sinto.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Eu penso que sei...

Eu leio
eu digo aos outros como se eu disse-se pela primeira vez aquelas palavras.
compreendo, analiso, penso que sei.
Mas a rua, meu trabalho, meu caminhar, faz me desmentir a mim mesmo.
E ainda não sei quem sou.
Eu sou aquilo que aprendo, mas a retórica em tudo isso é que não sei o que levo para meus sonhos e meu caminhar.
Retórica que me faz acreditar em mim mesmo.
Retórica que me faz sentir um porre de homem que ainda quer ser menino.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

4 metros x 12.5 metros

a fisgada vem a espinha, mas logo passa, minutos depois novamente o calafrio e outro em seguida, repete-se a dose algumas vezes, a vontade de se tornar neardental e derrubar a mesa e machucar os que a rodeiam aumenta, mas vai embora depois de um cigarro fumado a tragos profundos e longos.
ir embora, mas se eu for embora, Não sei viver com as diferenças, é o que pronunciaram e, pra falar a verdade, não tenho pra onde ir.
eu fico, mas fico triste, as vezes indiferente, as vezes nuvem, as vezes no meu quarto, as vezes na sala, as vezes escutando os sermões e meus deveres.

estes 50 metros quadrados fazem com que as pessoas, que ali transitam, se esfreguem, se amem, se esbarrem, se odeiem, se fazem a acreditar viver bem, se sorrirem...

terça-feira, 10 de agosto de 2010

5 minutos antes de barter em sua porta.

-Oi.
e ela vai dizer: Oi.
-Eu vim com medo e um dezespero que quer gritar, despertar, aqui dentro do meu peito, mas também vim com o coração, pra te compreender e te entender, pois eu vou aceitar o que você decidir, o que me falar.
e ela vai destruir as minhas esperanças e comer o meu coração, a qual vim.
...



( seguiria o discurso do fim, foi assim que imaginei como seria, pois, penso eu, que não sou merecedor de sua atenção )

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O pássaro que a levou.

Eu fiquei olhando para o céu, imaginando em qual deles, do tantos que passaram, você estaria.
Olhando, fumando, pensando.
Deveria ter brigado, implorado, persuadido ou chorado, ajoelhado, pedido a Deus, ou até mesmo obrigado, mas não os fiz.
Burro sou eu que até ti levei até aquele pássaro que a levou voando de mim.
Sempre achamos sermos capazes de afugentar a saudade, de quem um dia nos deixou, com a esperança que vai voltar. Mas o tempo não esta passando e eu vou aqui me torturando e amaldiçoando aquele pássaro.
Mas você vai voltar e vou te perdoar !
Perdoar aquele pássaro, porque ele vai lhe trazer de volta !
Perdoar você, porque minha mente não esquece você e meu coração pulsa para bombear o sangue que chega no meu cérebro que por si faz meus olhos lhe enxergar, o meu nariz te cheirar e minha língua te saborear.
Eu amo você !

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Não entendo, não compreendo

Eu sinto falta, mas pra falar a a verdade não sei exatamente do o que !
E reclamo, bravejo mas quando abro os olhos vejo e penso em você.
Estou perdido, ofendido, confuso e demasiadamente aos seus pés.
Talvez seja porque você foi a única coisa que, em primeira e única instância, me fez sorrir nos últimos dias. Parei de lutar porque me agarrei muito forte e penso, neste exato momento, que é a única coisa boa que me sobrou na vida.
Aonde estão meus sonhos?!?!
Eu o depositei todos eles em você e estou esquecendo de mim. Minha memória esta ficando perdida dentro deste sonho maluco, onde não estou completamente feliz, mas estou achando que a vida é mesmo assim.
São esperanças, apostas que, não sei o porque, não estão dando lucro e sim estão me devolvendo apenas um pouco mais do que apostei. E logo em seguida eu as aposto novamente e eu não consigo interromper este ciclo.

Estou cego por você !

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Blah !


E hoje, você sentou aonde eu estava, na sarjeta !

E mesmo assim eu reclamei, xinguei, chutei...

devo ser louco !

e estou indo dormir logo mais.

Ansioso para que lá onde esta o horizonte surja o sol novamente.

Para que eu posso sua voz no telefone e dizer que esta tudo bem.


Me desculpe.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Imaginação...

Observamos e deduzimos, mas nem se passararmos todos nossos invernos olhando para aquela mesma pessoa, ainda não saberemos como ela é !

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Oriente

Alguns quilómetros foram deixados para trás, mas ainda tem uma belo pedaço deste espaço até eu poder ver o meu destino.
E o vento sopra frio, o meus pés sentem o chão gelado.
Os meus cigarros esquenta meus pulmões, mas vai me cansando com sua fumaça.
Minha carteira esta cheia de deveres e obrigações, mas vazia de dinheiro.
As pessoas que passam me dizem que estou maltrapilho e me dizem ou cochicham para que eu pare e desista.

Mas por dentro, vou sorrindo e cantando.
Não por estar louco, por estar como me descrevem.
E sim por gostar de caminhar léguas tiranas,
por saber que lá no fim, em nossa casa, você esta me esperando.
E você vai esquentar os meus pés em baixo do cobertor !

Se eu chegar primeiro ou se você tiver saído, eu vou sentar e te esperar !
E vou observar toda esta gente louca, porque elas não sabem de nosso amor e do que somos capazes !

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Papo vai e papo vem !

(Vou lhe contar uma história)

Agente olha e gosta !
Agente se aproxima levemente, sem levantar suspeita (pelo menos é o que esperamos) !

E conversa vai, conversa vem.
Papo vai e papo vem.
Os casos vão e o caso não vem !
Um festa vai e o desejo vem.

A outra festa vai e o beijo vem !

Fim !

quinta-feira, 22 de abril de 2010

é só um livro...

que talves se foi esta manhã.
Mas me carece muito, pois, junto a ele, parece que foram uma blusa e uma calça !

E este sentimento de perda, que parece que nunca senti, esta me incomodando e dando novas idéias a minha cabeça.
Com a perda, vem uma reação de querer mudar...

Se ao menos eu soubesse o final dele...

sábado, 10 de abril de 2010

Que lástima...

-Eu deveria saber, mas quem sabe afinal?
Acho que niguém.

-Pois eu estou confuso, magoado, triste e com um nó na garganta.
Porque eu gosto de você !
E, pra falar a verdade, não sei nada de você.

-Blah, acaba logo com isso !

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

pesa o quanto vale pra você !

Hoje, não é nada.
Apenas mais um dia, pra qualquer um deles.
Mas hoje, o hoje é meu, contudo são de outros, como daquela que veio junto a mim.

Hoje, é um dia de pensamentos.
Pensamentos de querer aquelas que já foram minha.
Hoje é uma noite que ressurge meus amores.

Também neste dia, hoje, tenho medo que se case.
Medo que eu os perca !

Hoje é o dia que nasço !

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Lua

- Puxa o colchão pra cá !
- Mas será que cabe aqui ai na varanda?
- Ahhh agente da um jeito !
...
- Pronto, deita aqui comigo !
- Hum, ta friozinho aqui !
- é, pera ai que eu vou pegar o coberto !
...
- Eu te amo !
- Eu fico assim pra sempre com você olhando esta lua e abraçado a você !
- Nos temos muito tempo ainda.
- Canta pra mim?
- O que?
- Ahh as suas músicas bregas, amo você cantando.
- Ta bom ! " Meu bem, guarde uma frase pra mim dentro da sua canção..."

Nesta noite, a lua ficou com tanta inveja que foi se esconder no horizonte !

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

rá rá rá !

O louco, fala durante a noite e chora ou talvez ri, sozinho.

-Mas, oh meu amor, não se preocupe. Deus não demora, capricha!
Não grite, não bata o pé ou ofenda, apenas chore e mexa-se. Porque o mundo se move em silêncio, chora suas chuvas e, entre nós, é o mais sagaz. Cabe a nós decidirmos o que fazer com o tempo que é nos dado e não jugal-lo...

E ele grita e gesticula.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Muleque na rua !

-Meus cigarros-
-Meu ténis furado-
-A barra da minha calça comidas-

domingo, 6 de dezembro de 2009

Burgues

Você representa tudo o que não quero ser, o que não aceito como verdade de vida.
Mas nossos passos se cruzaram e enquanto estamos no mesmo trajeto, vou lhe observando, te amando e ajudando.
Afinal, você é ser humano e por isso lhe amo !
Você é imperfeito e por isso vou lhe moldando !
Você é sagaz e por isso vou te observando !

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Outro caminho, o mesmo sentimento !

É sua atitude, o seu jeito de olhar para as coisas, de lidar com elas.
Não, acho que não é isso !
É o contorno de seu rosto, dos seus olhos, nariz, boca, queixo e pescoço.
Deve ser isso !
Ou será o conjunto de seus movimentos, caminhar, olhar...
Ahhh sei lá !

Blah eu vejo, abstraio e penso no que foi feito e dito.
Não mereço o que foi posto neste mundo !

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Opa amigos !

Vocêis ainda não entenderam !
Não quebro as músicas, nem tão pouco caçou as árvores.
Escrevo com o vermelho da tinta do meu sangue.
Não sou do seus rolês.

Meu companheiro, meu pensamento, minha solidão !

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Famiglia

O velho reclama, senta a frente da TV, mas não assisti a nada, lê o jornal e reclama mais.
A velha assisti novela, joga paciência e deita no sofá.
A mulher vê a previsão do tempo, liga pro namorado, recebe ligação do namorado, se embeleza e fuma escondido.
O homem braveja, corre da barata, fuma cigarros, trabalha também em casa, rugi para todos e é sociável com seus amigos.
O moleque lê livros, joga vídeo-game, tem novas idéias e fuma demasiadamente cigarros.


Tudo isso em menos de 100 metros quadrado.





-------------------------------------------------------------------------------------------------


Posso ter sido tendencioso a meu respeito, porém a respeito dos outros a pensamento é mútuo a quem os conhecem !

domingo, 25 de outubro de 2009

O AUTO-RETRATO


No retrato que me faço
- traço a traço -
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore...
às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança...
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão...
e, desta lida, em que busco
- pouco a pouco -
minha eterna semelhança,
no final, que restará?
Um desenho de criança...
Corrigido por um louco!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Disparda

"Se você não concordar
Não posso me desculpar
Não canto prá enganar
Vou pegar minha viola, vou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar !"

sábado, 10 de outubro de 2009

Ainda não sou

Sou revoltado por aqueles sonhos de criança e adolescência.
Meus heróis ainda são os mesmos.
Minha vontade vem do que ainda não sou.

E o tempo, os anos, vai passando e assim a maturidade chegando, os ossos estralando, os músculos cansando e a cabeça ditando dilemas.
Dilemas que por algo condicionado a todos, criado muito antes de meu nascimento, fazem meu coração descompassar a medida que o tempo ruge.

As pessoas vão apontar o dedo pra mim, família, amigos, gente que caminham nas ruas. Mas meus sonhos revoltados iram se sobressair.
Amores vão subjugar a minha capacidade, me podar, mas os meus heróis vão conduzir minhas atitudes.
Meu lugar, ao lado de quem, minhas vontades vão me levar.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

"Pode rir, ri mais não desacredita não."

Pode falar alemão, inglês, francês etc.
Pode ter estudado na gringa.
Pode ter tido mais mulheres do que eu.
Pode fazer seu social.

Mas meu amigo, não desacredita não !

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Caminhos Cruzados

-Blah blah blah....

A seus ouvidos as palavras do companheiro de caminhada para o metrô não passavam de sons sem nexos. Seu cérebro, por completo, desenvolvia pensamentos sobre a angustia que sentira ao passar por aquela praça de alimentação, agora muitos metros atrás. Sua voz, quando audivél, estava agora baixa, morna, sem expressão e e seu rosto voltado para o chão que ia caminhando.

A voz de sua cabeça era sobre os acontecimentos dos 3 últimos anos, a mudança de comportamento sobre os demais, o curso, as mulheres, os amores. Sabe, ainda mais hoje, que atrás dos grandes homem há mulheres. Sabe que pode vencer, mas na reta final pára.



-------------------------------------------------------------------------------------------------



Escrevo o que me destrói, o que me incomoda, o que deixa minhas costas pesada, o que faz minha meta se desfocar. Escrevo também porque gosto de saber que alguém, ou algo, possa descobrir meus planos, pensamentos, gostos, medos entre as entrelinhas do que aqui esta escrito. Pois muitos só leram e iram me enquadrar por aquilo que esta escrito, mas o que sou está além do que se lê.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Observador.

Sentado a frente do prédio lia o livro freneticamente e ia fumando meu cigarro, quando que pelo destino olhei a direção das escadas da entrada do prédio.
A imagem me congelou.
Observei...
Uma blusa (acho que escolhida ao acaso, no transtorno do sono ao acordar, mas, ainda sim, confortável e descontraida).
Cachecol.
Ténis All Star.
Pele branca.
Cabelo negros, preso a um coque.
Observei, observei, observei.
O livro perdera a graça !

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

De bermudas...

O sol estava lá em cima, mas escondido sobre uma enorme nuvem que parece não ter fim, pois ao olhar nos limites de nossa visão, o céu, era apenas cinza. A terra molhada em baixo de nossos pés, as árvores, pedras, água e incetos acima do solo, a ordem, ainda sim, era mantida.
A trilha estava vazia, não que ela seja muito transitada, mas com a chuva e o frio era como se ali no mundo só existia eu e meu primo.
Andávamos revezando a liderança, hora eu a abrir caminho, hora Caio, e a cada dez metros a inclinação parecia aumentar e as pedras cada vez mais escorrega dias fazia tanto os músculos das pernas se esforçarem como os dos braços, pois íamos nos apoiando e puxando as árvores. O ritmo frenético do começo da trilha, havia se dissipado através dos metros percorrido e então caminhávamos lentamente.
Chegamos a um clareira onde sentamos um virado para o outro em cima de pedras e lá ficamos em silêncio, acalmando a respiração. Acendi um cigarro.
-Ta ouvindo?
-Uhum !
O som da cachoeira era audível a esta distância, mesmo abafado pelo som da chuva, e a medida que andávamos o terreno foi ficando novamente plano, mas nossos pés descalços pisavam em pequenas sementes que eram espinhentas e que entravam em nossos pés.
-Uhulllllll.
-É linda mesmo !
A cachoeira era de uma queda de uns 30 metros onde se fazia um espécie de lago em baixo dela e ao seu lado uma grande pedra branca, que acompanhava a trajetória da água em queda livre, aonde as pessoas que subiam pulavam para o pequeno lago que se formava.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Eu penso, tu pensas, ele pensa, nós pensamos, vós pensais, eles pensam...

E esta coisa que não pode se ver e nem tocar, mas sim pressentir ou mesmo formula-lá, está a cima do bem ou mal.
Nele você pode ir a qualquer lugar, conquistar aquela mulher, ou voar por si só. Porque lá, e somente lá, você é realmente livre.
A grande bênção ou problema, dependendo em que movimento do tráfego você está, é quando o transportamos para palavras, gestos, sons, fórmulas, números, escritas, etc. para os terceiros. Pois se o desejo não é mútuo, a parte física de nossos movimentos vêem a tona mostrando alguns dos nossos lados transtornador.

"...é lindo por ser livre."

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Shiuuu...

"...Eu queria poder escrever. Mas em mim só encontro o silêncio. E por isso, eu não sei escrever. Escrever, é claro que eu sei. Só não sei escrever um livro. Não consigo encontrar as palavras. Não consigo encontrar as palavras, nas palavras. Só encontro minha voz, no que penso. Mas o que eu penso, ninguém ouve. O que eu penso é silêncio. Então eu me calo. O Silêncio é minha voz.
O silêncio é a voz que eu calo.
O silêncio é a voz que eu guardo.
O silêncio, é la onde moro.
O silêncio sou eu. "
(O cheiro do ralo - Lourenço Mutarelli)

Não me identifico nada com o narrador personagem, porém nesta passagem tangenciamos, ele por seus motivos e eu pelos meus.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Suspiro.

Os personagens dos livros não estão me surpreendendo mais, estão se tornando repetitivos e previsível.
Não, acho que não são os personagens, mas sim o desenrolar das estórias ou histórias.
Sei que ainda não vi de tudo, mas aonde estão as coisas que ainda não vi?
Mas vamos lá, andando e cantando, como em uma marcha do exército.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O gosto amargo do cigarro.

é que na verdade, A angústia vem a tona quando ao redor só há livros, o espelho não surpreende mais Narciso e a curiosidade sobre a verdade machuca.
as estórias dos livros não preenchem mais a solidão.
a imagem não mostra os cabelos crescendo, ganhando volume ou o murchar da face.
a sobriedade sobre seus amigos e heróis não distraem mais.

O cigarro é de agrado, a sucção, mas com o passar dos anos suas costas, pulmões, estômago, boca, dentes, seu olfato, paladar, faringe, esófago, pressão, coração, anemia e rins vão falando mais alto. A vontade é de livrar-se desta ambigüidade.
Ahhhh meus amores.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Cigana

Vai se mudando conforme vai vivendo, novas experiências e amores, e vou te procurando.
Atrás daquele prédio?
Naquele bar?
Outro endereço?
Não importa, isso é realidade. Vou procurando pistas e trilhando por outro caminho, mas sempre a acho quando sinto o paraíso ou queimando torto no inverno.
E como esta linda nas depressões e êxtase de meus buracos e alturas, simples como sempre, exótica e, acreditem, sem inocência.
O importante é que, assim como eu, um dia seus pés iram se cansar e pararemos juntos ou continuaremos juntos, simples assim.
É explicar certas coisas que não se esconde de nossos caminhar.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Olhe lá... é ali... ali mesmo !

Nota: O diálogo a seguir não ocorre em um tempo cronológico, ocorre no tempo do autor, que nem sempre segue a linha do tempo e espaço contínuo.

-Meu amigo, to cansado desse trampo já !
-Não é qualquer trampo, é um bom trabalho.
-É mas já to de saco cheio.
-Se que sabe.
-Hey cara, que foi?
-Não foi nada !
-Beleza então.
-Não esta nada beleza !
-Cabo de falar que não tem nada !
-É por isso mesmo, não acontece mais nada !
-Já vai começa a filosofa?!
Plah !!!
-Agente dividi a vida em situações, como trabalho, amor, amizade, futebol, cerveja e etc. mas tais coisas estão paradas agora !
-Cara de novo não, logo logo se chega em casa e dorme.
Plah !!!
-Foi mal, é que não consigo ser vocêis, ser assim... visual. A era do visual ! ahahahha é bem triste para mim.
-Aaaaa cala esta boca e chama mais uma.
-As pessoas se contentam em apenas visualizar, pois como um grande poeta diz " Os olhos são o espelho da alma ", esqueci o nome dele.
-Isso é evolução, as coisas precisam ser rápidas e melhor modo para isso é a visualização, é assim.
-Tudo bem, mas o problema que eu digo é que já apenas pertencemos a nossos olhos, para tudo hoje se engloba a visualização.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Cabeça, cabeça minha.

Minha cabeça não anda muito bem, confusa, desesperada e com falta de coragem.
Nela estão empregadas pensamentos filosóficos sem explicações, contraditórios, me deixando em um estado mental debilitado, com dúvidas, muitas.
Preciso fazer algo errado !
Blah, estou conversando com pessoas em minhas cabeça que não existem ou existem mas que ha muito não me relaciono, porém que tiveram algum peso na minha vida, e nelas tento achar em dialógos respostas para questões de minha mente.
Ontem conversei com Deus, mas ele não me respondia !

quarta-feira, 1 de julho de 2009

é bom saber

Pensei que isso nunca me reconfortaria, mas como é bom saber que você esta feliz em paz.
Me pego, as vezes, pensando em você !

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Difícil

Eu já venci tantas coisas, mas por que não consigo vence isso ?
Blah não consigo passa disso, há tempo que estou nessa !
Merda !

sábado, 20 de junho de 2009

No Money

Não tenho 1 real no bolso.
Tenho um maço de cigarro e a noite como companhia !

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Anda anda.

A noite é bonita, as estrelas, e o meu maço de cigarros esta acabando.
Ouvi, vi, toquei, cheirei pessoas em suas demasia e agora espero sobre esta lua.
Fugir do que somos é desviar de nosso Karma, que esta escrito em nossas mãos e horóscopo. É não saber parar quando estamos cansado, é não dar risada quando se esta com vontade, é não beijar a mulher desejada.
Os meus pés doem, mas estou feliz, pois tenho um tempo só meu e são minhas escolhas que estão em jogo !

terça-feira, 16 de junho de 2009

esperança.

Eu tenho algumas certezas comigo mesmo, talves não seja verdade minhas certezas. A ilusão ou a verdade, não sei, vem da fé e a fé não se contesta e não mede.
Sobre isso ainda tenho fé, pois o mundo tem que voltar o que eu dei a ele.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Droga.

Blah, minha viagem de Julho, provavelmente, foi para o saco.
Odiei meu feriado, não sai, fiquei em casa, lendo, pensando e estudando, passei angustiado por fazer algo.
Não quero ficar parado, quero correr, andar, quero viajar e olhar para novos rostos, paisagens e formas.
Estou entediado e profundamente triste comigo mesmo.
Ahhhhhhhhhhhhhh
quero sair da minha casa, as pessoas de lá estão em uma rotina que não quero entrar.
Maldito dinheiro !

domingo, 14 de junho de 2009

Despedida

-Engraçado, eu sempre pensei ter uma família com você.
-Por um tempo planejei isso ao seu lado, mas os planos mudaram, não é?
-É, mas quem sabe, o futuro a ninguém pertence, nossos planos nem sempre são realizados.
-Pois é, agente ando lado a lado por um bom tempo e agora nossos caminhos estão se diferenciando.
-Sim, a escolha é nossa.
-Eu daria muito para que eles trilhassem juntos, novamente.
-Foi algo bom, que não esquecerei enquanto tiver memória.
-Hum... sua memória é boa, eu vou ter que ter uma ajuda das fotos e das filmagens, mas não porque você foi coisa mínima, mas, você sabe, vivo muito aquilo que estou passando
-Sei sim, não me magoaria se um dia você demoraria a me reconhecer, se eu estiver com aquela peruca !
-Ahahahahahah, besta.
-Aquela idéia foi maravilhosa !
-Sim, muito... Você esta com medo?
-Com muito medo e você?
-Não sei, meio estranho este momento, mas não sei se é medo !
-Nestas coisas você sempre foi melhor do que eu, eu te conheci assim indo embora de um relacionamento.
-Nem me lembre.
(...)
-Okey, não vamos prolongar o inevitável.
-Ahhh eu prolongaria este momento a muito tempo, mas não podemos, não é?
-Acho que não mais.
-A tristeza me pega quando penso não ter mais sua presença amigável !
-A mim também !
-Eu gosto muito de você, quero que seja feliz.
-Eu desejo muito ser feliz e desejo que também seja.
-Me deseja sorte?
-Muita, mas muita, boa sorte.
-Um último beijo !
-Um último beijo !

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Amor.

Não é apenas a vontade de cobrir de beijos, correr para de baixo do cobertor, esquentar os pés no frio junto a ela, crescer junto, de rir junto, chorar, se molhar, viajar ou ronronar em seus abraços, coçar as costas, morder, confortar, vai muito mais além disso.
O respeito é também amar. Respeitar o desejos do outro, mesmo que ela queira estar com outro e não com você é uma das maiores prova de amor.
Amor não vem a ser um monopólio, egoísmo, é algo maior que não sei descrever.

domingo, 7 de junho de 2009

Blah...

Doeu muito a frase, daquele que acho que menos considero.
-...mas você Luiz Paulo, vai morrer sozinho !
-Eu sei !
Não quero isso para mim, mas há alguns sinais que anunciam este fim.
Expantei muita gente, familiares, amigos, namoradas e estranhos !
Faz tempo que o meu telefone não toca, mais tempo ainda que não me aconchego com ninguém, que não me perguntam como estou.
É claro, o mundo, o sistema, nos vende a felicidade e se você não é feliz você não entra no mundo. Veja as propagandas, anúncios, os perfumes, novelas, orkuts, todos passando a imagem de felicidade, auto estima, confiança. A moda é ser feliz. A regra é ser feliz.
Tudo que é diferente nos assusta, intimida. O meu caro que é mais sensível e que o produto que os vendem não garantem a meta, são estimulado, pelo resto, a participar da massa e se não agregarem, são excluidos, objetos estranhos sempre são espelidos pelo corpo, sistema.
Quero o meu caminho, não o de vocêis, desculpe-me !
"Eu quero que este canto, torto, feito faca corte a carne de vocêis ! "

terça-feira, 2 de junho de 2009

Para você, meu grande amigo.

Lembro de você chegando, pequeno ainda, assustado com a casa e discreto como sempre. Logo o corre corre das crianças da casa o distraiu da nova experiência que passava e sua reação de aceitação nos deu a liberdade para já brincar e abraça-lo. "-Como vamos chama-lo?; -O nome tem que ser do melhor cachorro, tem que ser Maximum!; -Muito comprido; - Max, então ! "
Logo depois do colégio, de manhã, passávamos quase o resto do dia juntos. Com você senti o que quase nunca senti de outro de minha espécie, um amor que não pedia nada em troca. Podia ser a qualquer hora, sempre me recebeu amorosamente, independente dos acontecimentos anteriores. Um pensamento surgiu através de sua companhia, de ser o melhor possível em tudo, como você é.
Você, meu companheiro, me ensino com o tempo a ser calmo, discreto e a ter paciência. Sempre em minhas batalhas foi você quem fico ao meu lado, meu confidente.

E agora, meu amigo, você esta partindo.
Eu não acredito em anjos da guarda, mas hoje eu vou acreditar e pedir que quando você se for, você se torne o meu, para me acompanhar como sempre acompanhou.
Oh desculpe-me, queria redigir o meu melhor texto para você, mas minha emoção é muito grande e mal consigo pensar.
Perdoa-me se não parar para chorar por você, pois tenho que continuar, mas isso não implica que não vou chorar, apenas vou chorar andando, como você me ensinou.

Meu eterno amigo, MAX, eu te amo !



segunda-feira, 1 de junho de 2009

Faz tempo

Minhas provas estão caminhando para a reta final, o estudo me faz esquecer de muitas coisas sobre minha pessoa, mas não deixa uma só atitude para traz, a de por os outros a minha frente.
Era segunda feira, tinha que estudar para a prova do dia seguinte, porém fiquei a tarde toda e um pedaço do começo da noite ensinando para três meninas a máteria que tinhamos em comum, física. A noite cheguei em casa cansado, mas estudei até as 4 e meia da manhã e puis meu despertador para toca. Blah, meu sono foi tão pesado que não acordei ao toque da campainha ou ele não tocou. Perdi a prova.
"Agente espera do mundo e o mundo espera de nós"
Blah, o mundo ta me devendo muito.

Oh mundo, me traz aquela mão que me fez carinho, eu to precisando tanto !

domingo, 31 de maio de 2009

O grande...

Eu continuo invicto, em pé !
Vou subindo e sendo feliz comigo !

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Especulações

Corre em seu carro com o rádio ligado, corre pois esta atrasado e com o rádio ligado para se distrair de sua ansiedade, esta indo para um encontro, um grande encontro, segundo ele. Ao som de suas músicas favoritas sua cabeça vai pesando em um futuro promissor junto a aquela mulher.
Casamento, lua de mel, casa própria, filhos, escolas... 
Calma, sonhos muito precipitados, mas na verdade adorou sonhar acordado enquanto ia cortando os carros, da direita para esquerda, da esquerda para direita, parecia estar dançando ao compasso de seus pensamentos.
Ela esta a espera há 10 minutos, suas unhas feitas hoje de manhã já não são unhas feitas e sim descascada por seus dentes, seus pés não dão sossego ao salto, bate a toda hora o bico na mesa a sua frente. O seus pensamento, há espera naquela mesa do restaurante, são contrários do homem a quem espera, duvidosos sobre o futuro ao seu lado, pois se não consegue ser pontual com alguém que, segundo ele mesmo, diz ser tão especial, não atendera as necessidades dela e do dia a dia a dois. Sente que gosta da companhia dele, dos seus pensamentos, mas por outras experiências o esperar a incomada muito e por isso seus pensamentos duvidosos.
Quando ele entra pela a porta os olhos dos dois se encontram. Sim, é esta a mulher e este é o homem de suas desconfianças, que faz seu coração descompassar !

terça-feira, 26 de maio de 2009

Elas voltaram


Os passos estavam largos, apressados como sempre, para chegar logo ao destino da caminhada, meu antigo trabalho. Na porta estava sentado um homem de pele escura, barba branca e com um violão na mão.
As notas entravam em meus ouvidos e angustiava minha garganta, a música era linda, Som de Carilhões, João Pernambuco. O chorinho, tocado a meio tom abaixo, trouxe saudade, mas uma saudade que não doía pela lembrança de algo e sim por eu ter deixado, ha quase um ano, de escutar, sentir, apreciar e desejar algo tão bom quanto é a música.
Ouve momentos que me elevaram a Deus, outros a o Diabo, momentos me fizeram sorrir e lamentar, por muitas vezes fizeram minha vida.
Músicas é algo do bem, por mais dolorosa que um dia elas nos foram.

As músicas irão me acompanhar !

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Sintonia

Foi para longe, bem longe, e voltou para mais próximo, um próximo ao ponto de conseguir distinguir as diferenças do rosto. Mesmo perto, fisicamente, o espaço, a diferença, de nossos pensamentos,  são de uma grande escala.
Tento regular, para baixo ou para cima, minha frequência, pensamentos, ao seus. Pensei um dia ter entrado em sintonia, pois ouvia melhor, sentia melhor e correspondia ao seus gostos, mas foi apenas por um breve momento, pois me atrapalho comigo mesmo, um desastre, um gigante tentando fazer origame.
Esperei o tempo fazer efeito, mas o tempo não veio para mim, por isso vou ter calma e tentar mais uma vez, como sempre de cabeça erguida !

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Meu amigo.


Meu amigo
joga bola, vídeo game, bebi, da risada, viaja, briga, influência, reflete, importa-se.
Meu amigo, meu irmão, sorrimos junto !

Gosto de você, pois não anda a frente, não atraz, mas ao meu lado !Adicionar imagem

domingo, 17 de maio de 2009

Frio.

O clima vai ficando hostil, frio, nas ruas e as pessoas se atolam de roupas, dando um certo mistérios a seus carácter, mas também vão procurando seus pares para se aquecerem, a estação vira um paradoxo entre a hostilidade e a paixão.
Deve ser um instinto humano procurar pessoas para se aconchegarem um ao outro no frio, vejo isso nas ruas, na tv, nos parques e conhecidos.
O instinto me atinge também, faz com que eu queira esquentar meus pés em de outra pessoa, mas estou sozinho, na rua vou caminhando com minhas blusas e cigarros. não acho alguém que queria trocar calor comigo, que eu não queira ajudar, mas que me ajude a sair deste frio. 

terça-feira, 12 de maio de 2009

Vai logo !

Quando os meus dedos estavam entrelaçados queria que o tempo parasse, não existisse, que eu vivesse em outro plano, realidade, e não deixar escapar aquele espírito, porém o tempo correu igual ao deus mensageiro do Olimpo.
Segundo Einstein, o espaço está constantemente sendo distorcido e curvado pela matéria e pela energia que se movem nele, e o tempo flui a taxas diferentes para diferentes observadores. Não tenho o poder de mudar o espaço, mas, já que, o tempo pode correr pelas minhas mãos quero faze-lo em tempo recorde, para que o amargo de suas gargantas passe e se torne algo compreensivo, apaixonante e lindo sobre os atos que nos envolvem e nos tornam unidos neste espaço indestrutível.
Oh tempo, vai logo para estas pessoas que quero para perto de mim !

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Planejar...

Bom vamos devagar, na verdade não vou dar passos além de que você queira, não vou cutucar nem remexer, vou te acompanhar quando quiser.
Nada de planos, nada de conspirações.
Eu consigo.

domingo, 10 de maio de 2009

simples

Na caminhada do tempo fui andando no meio fio das ruas, me equilibrando para não cair dentro de casa ou na sarjeta, e por vezes me desequilibrava na corda. Achava um caminho estreito e perigoso para seguir.
Ao longo do caminho minhas pernas foram se acostumando com o centro de massa de meu corpo e se adaptando a espessura do caminho, tornando-o simples e comum.
Acho que vou a outro lugar, me cansou estes passos comuns, quero correr, escorregar, levantar e sorrir de novo sozinho !
Ahhhhh, MEU AMIGO, eu sou tão grande !

sábado, 9 de maio de 2009

Sei lá...

Vim pensando em algo para escrever, mas não o achei bom o bastante para redigi-lo aqui, vou guardar na memória.

Não sei o que escrever, mas queria escrever algo.

Blah, impressionante qualquer ato, pensado ou não, pode gerar reações imprevistas, até mesmo para um jogador de xadrez.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Nós podemos !

"-Não temos outro mundo para o qual podemos nos mudar. Gabriel Garcia Márquez.
-Então, meu grande amigo, continue e se não podemos mudar de mundo, mude este, faça dele algo melhor, faça como os cinema nos mostras, um final feliz, algo inusitado, faça a sua história, imagine e siga-a. Muitas pessoas não entenderam, pois você é alguém a frente deste tempo, acredite você é, e não sofra por elas não entender-lo, porque as pessoas tem medo do que é diferente e por isto banalizão, enterrão e expulsão. Siga em frente, meu amigo ! "

Obrigado, Rainold !

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Eu Desejo !

... e de repente uma fumaça começa a se expalhar pelo ambiente, deixando a visão daquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência obscura, opaca e desfigurada. De dentro daquela porta aos fundos, uma grande figura aparece, um monstro, o pior dos monstros, o monstro de seus sonhos ! 
Impiedoso, frio, calculista, maléfico, preconceituoso, mortal, irracional, bruto, egocêntrico, oniciente, tendencioso, imortal, imoral, qual será sua personalidade? Ou será todas elas?! É o que se pergunta aquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência.
Aquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência tenta por sua sagacidade antecipar os acontecimentos próximos, porém o tamanho do monstro o intimida encurralando e fazendo-o entrar no quarto dos quadros dos grandes atos em pequenas escalas.
Senta encostado a porta para impedir a entrada do tenebroso e lá começa a matutar sobre quais passos o monstro ira dar. Por anos aquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência permaneceu no quarto criando hipóteses sobre o impiedoso.Ao passo dos anos foi se tornando uma pessoas amarga e covarde por não conseguir enfrentar o imperdoável.
Um dia porém um descuido daquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência fez com que o monstro conseguisse entrar no quarto apavorando-o. O irracional aconteceu, pensou aquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência, pois ao invés do monstro lhe derramar-lhe seu ódio ofereceu um desejo ao prisioneiro do quarto.
Aquele que sempre se sentiu virtuoso pela sua inteligência pediu a seu "gênio da lâmpada mágica" ingenuidade e inocência...




domingo, 3 de maio de 2009

Multidão !

-Próxima estação, São Bento !
Calça jeans, blusa de canguru, blusa jeans e um ténis rasgado.
Largo São Bento, Teatro Municipal, Av. São João e Largo de Arouche, rumos tomados até o sol a pino do outro dia.
Calor humano, frio pela natureza.
Uma e meia da manhã, sozinho !
A esmo para lá e para cá.
-MAS LENDO ATINGIUUUU BOM SENSO !
Rua a baixo.
-Ahhhhh, uma árvore limpa !
Dormir

Tempo Bom !

sábado, 2 de maio de 2009

engraçado, não?


Lembro de situações muito perigosas, uma até mortal, outras bem complicadas, como quando tive que entrar em baixo de uma ponte da Ricardo Jafet e tentar convencer um morador de rua que ali residia, mas nenhuma foram tão duras comparada quando o "adversário" sou eu mesmo.
Blah, como é difícil lidar comigo mesmo !
Ainda bem que eu tenho um mundo inteiro para pensar e eu sou um mero detalhe deste todo.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

o que você quer da vida?

Blah, eu não sei...
Eu to perdido !

terça-feira, 28 de abril de 2009

Keep Out

Conforme os anos foram se passando, a distância entre nós, do mesmo sangue, foi se alargando e cada vez mais tendendo a ser paralelas. Tal escolha foi optada por mim e não por vocêis, por motivos que não venho a  declarar em público, com o ex-cessão de apenas um.
Este não vem ser um caso particular para fugir a regra do silêncio, mas por ter sido declarado nos primeiros limites que impus, que alias se respeitados a diferença seria menor, penso eu.
Não opino no que diz a respeito a suas intimidades, escolhas e a fazeres, pois são livres no seus quereres que não liga-se direto a nosso comunismo familiar.
Com quem me relaciono, amo ou sento ao lado é meu problema e não de vocêis.
Quem tem medo de ouvir o seu nome nas bocas dos outros é porque tem os nomes dos outros em sua boca.

sábado, 25 de abril de 2009

começo meio e fim (ponto final)

Eu não estou aqui para te dar carinho, amor ou desejo.
Vim para acrescentar, não mima-la !
Estou aqui para fazer o que vim fazer, não importa o que aconteça !

quarta-feira, 22 de abril de 2009

você ama, não ama?

Por uma outra visão, a maior prova de amor que você pode conceder a sua amada, é deixa-la ir !

terça-feira, 21 de abril de 2009

Racional

-...
-...
-...
-...
-...
-Tem algum tempo que você já sabe disso, estou errado?
-É - (uuuffssss)- há algum tempo mesmo.
-Por inúmeras vezes, mesmo você sabendo do resultado, tentou mais uma vez e logo em seguida veio recorrer a mim de novo...
-"não é quantas vezes que você cai e sim quantas você LEVANTA ! "
-Vai deixar eu falar?
-... eu já sei o que você vai dizer !
-Eu sei que você sabe, mas você quer ouvir de mim !
-(...)
-Não que eu ou você saiba disso, ao certo, mas o mundo nos leva, mesmo que não queremos, para caminhos que estamos predestinados e talvez o seu destino, pela frequência de tais acontecimentos, não seja este que você tenta.
-Onde esta meu livre arbítrio? -(uufffsssss)
-Suas retóricas não vão funcionar comigo... Eu sei que não é tão difícil para você !
- Você sabe o quanto é.
-Sei, mas também sei que o seu lamentar vem de algum ócio seu.
-Eu não posso descansar?!
-Você sabe o que acontece com sua cabeça quando "deita com a cabeça no travesseiro".
-Blah, enfim, nem eu e nem você sabe do destino.
-Não defini o seu destino, apenas apontei outro caminho, que alias você já o conhece e trilhou por muitas vezes e se sentiu prazeroso, mas que sempre pára e olha para traz.
-Eu sei -(uuuffsssss)-  o que tenho que fazer !
-E por que não faz?
-Porque eu tenho esta coisa aqui no meu peito, do lado esquerdo.
-É eu sinto ele, mas não use-o como empecilho e sim como sabedoria !
-Blah...
-...
-...
-...
-...
-...
-...

sábado, 18 de abril de 2009

hora: 00:48

Nota: Preciso de ar puro, to fumando de mais !

Hora:00:41

Nota: Você não tem ninguém, não tem nada a perder !

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Cansado

Eu não gosto de reclamações, quando elas são minhas.
Sempre fiquei quieto, ausente e disperso, mas quero falar. Olho para minha agenda de telefone, passando pelos nomes, sem achar alguém.

Hoje eu quero ser vítima.
Hoje eu quero que ninguém me de títulos, livre de preconceitos. Alguém que me escute e que não deixe a minha outra imagem enfraquecida.
Hoje quero ser confortado, beijado e acariciado.
Hoje não quero levantar a cabeça, não quero ficar de pé, quero deitar.
Hoje, por favor, não quero ser o exemplo.
Hoje eu quero que ser amado.

Mas a frase uma vez me dita faz o fado a minha agenda de telefones: "Nenhum anjo ira te salvar !" E por isso, que hoje, aqui eu venho reclamar.

Por mais que isso me doa amanhã, hoje eu quero chorar.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

A aquele quem me ensinou.

Meu nariz sangrava, ou a boca e eu vinha para casa contar-lhe o que aconteceu.
Não lembro de você enxugar minhas lágrimas ou ir tirar satisfação com o responsável por meu pranto. Não, você apenas me olhava e me dizia " Você fez ! Você que arque ! ".
Quando era a minha vitória na rua o seu silêncio era a resposta.

Levanta a cabeça, pai !

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Muerte

"Você tem medo de morrer?"
A resposta foi dada sem pensar muito, mas plausível, porque na verdade os meus pensamentos nunca seguiram para tal destino. Plausível, pois de certa maneira, depois de alguns dias pensei sobre a pergunta, e nela, em maioria das partes, se ajustaram a resposta dada antes.
Antes de tudo o medo da morte vem de uma crença passada de pais para filhos por muitas gerações e que nela esta contida uma série de misticismo onde nem tudo está de pleno acordo com o que penso, fazendo eu fugir de uma regra geral de ter medo da morte.
O meu medo não vem de não saber o que há depois da morte, ou de algum sofrimento cruel para alcança-la, e sim o medo de morrer por algo que eu não acredite.
Leve uma vida por seus ideais, assim o medo da morte e de outras coisas inevitáveis será um medo que se tranformara em um sorriso, lindo e puro, como todos os sorrisos deveriam ser.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

O mundo nas costas !

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas "
Blah, cativar segundo o dicionário vem a ser o ato de "seduzir", "encantar", "subjugar", etc. mas não ensina como cativar algo. Na verdade não há, como tudo que relaciona humanos, seja ele relacionado a outro de sua espécie, animal ou objeto, um consenso em como agir para se obter êxito nas relações com terceiros.
Assim como Atlas foi condenado por Zeus a sustentar o mundo nas costas eu carrego o meu mundo nas minhas, mesmo que as vezes seja aos trancos.

domingo, 5 de abril de 2009

Passos

"Um passo de cada vez ! "
Já virou um hábito de todas as manhãs, quando levanto de minha cama e recobro a consciência do sono, repeti-lá em minha cabeça, pois assim que desperto começa um turbilhão de pensamentos, alguns mais concretos que outros, mas que me agitam e faz eu querer dar passos maiores que minha perna.
Sonhos...
Acho que não os tenho.
Outrora lembro de te-los feito, há anos atraz, porém por displicência, comigo próprio, esqueci todos.
Tenho desafios.
Eu me desafio.

Eu sou impiedoso comigo mesmo.

Meu sonho é me permitir a pensar em mim.

terça-feira, 24 de março de 2009

2009

Mesmo com discussões, mortes, nascimento ou o niilismo das pessoas, dentre milhões ou bilhões, há anjos entre nos, outrora muitos de nós não continuaria a caminhada de nossas vidas. Anjos estão em quem escreve um livro, faz música, levanta muros, aperta o botão dos elevadores ou não submete a mentira.
E então, Quis custodiet ipsos custodes?

sexta-feira, 20 de março de 2009

sábado, 7 de março de 2009

Aguá

O sol não dava treguá a 2 semanas, esquenta tanto São Paulo a ponto de se fritar um ovo no asfalto. As noites também eram tão quentes que o suor das pessoas empapa os lençóis das camas.
De tarde, dormindo no sofá, ouço o primeiro soar da vinda da chuva, um enorme trovão me faz abrir os olhos e sorrir.
A chuva caiu forte e Deus estava lá, com ela !

domingo, 1 de março de 2009

Duro

Muita gente fala em insensibilidade ou prepotência de minha parte. Juro que não acho outro modo mais sincero e limpo quanto a verdade, seja ela a mais salgada.
Eu sei que sou um filha da puta, mas, acredite, um filha da puta que corre por um lado incomum, indivisível e para o bem !


Vocêis ainda querem ser o herói de suas infâncias?
Eu estou virando o meu herói !

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Parabéns a minha irmã !




Eu devia dizer que te amo mais vezes, se é que algum dia eu já disse isso a você, mas tenho certeza que você sabe disso. Eu amo você !

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Virado

Eu to virado, não posso dormir. Amanhã começa minhas aulas e por causa de minhas férias meu hábito noturno ressurge, desregulando muito minha vida social.

Blah... sou um devorador de livros, leio livros com uma velocidade impressionante.
Acabei de ler o 3º livro da série da Stephenie Meyer, Eclipse. Muito melhor que o seu segundo livro da série, Lua Nova, uma tremenda enrolação, porém com alguns pontos muito importante para este 3º livro. A conclusão um tanto quanto óbvia a meu ponto de vista, no qual o miolo se encarrega em dizer a que opção que Bella tomaria certamente, mas confesso que há um único momento que todas certezas se desfazem. A melação ainda continua absurda entre Edward e Bella, um verdadeiro pote de mel, porém um personagem bem presente do 2º livro, Jacob, traz consigo a responsabilidade de desempenhar um papel muito mais descontraido e próximo com a realidade no relacionamento entre ele e Bella. Um livro fácil e gostoso de ler.

--------------------------------------------------------------------------------------------------

Escolhas são inevitaveis nesta vida.
Mesmo que ela se resuma em um simples Sim ou Não, ainda sim é uma escolha !
E respeite os outros por qualquer que seja a escolha deles, é o mínimo que podemos ter por alguém de nossa nossa espécie, pois tanto Galileu, que negou, e Sócrates, que disse sim, foram importantes para nosso mundo.
Você tem a escolha de aceitar ou não.
Está é minha resposta a você meu irmão de sangue, João Gabriel.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Radiohead

"Você parece tão cansado e infeliz. Bote abaixo o governo. Eles não, eles não falam por nós"





"O que é isso?(Eu posso ser paranóico, mas não um andróide)"





"Não tenha grandes idéias


Elas não vão acontecer


Você se pinta de branco

E sente-se com problemas



Mas ali estará alguma coisa faltando.


Agora que você encontrou, se foi


Agora que sente isso, não sentirá


Você vai sair fora dos trilhos


Então não tenha grandes idéias


Elas não vão acontecer


Você irá para o inferno pelo o que sua mente suja pensa.


Cantado algumas vezes por Thom:


Ela está totalmente despida e te chama para a cama


Não vá, você só vai querer voltar."





"culpe a estrela negra


culpe o céu que cai


culpe o satélite que me guia para casa"



"Eu não sou um vegetal

Não vou me controlar

Cuspo na mão que me alimenta

Eu não vou me controlar"



"Respire, continue respirando

Não perca o controle.

Respire, continue respirando

Eu não posso fazer isso sozinho"

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Deveres e Obrigações

O relógio marca 4:03 da madrugada, Douglas e Talita estão em suas cama, ela deitada do lado direito meio que encolhida e seu marido esparramado pelo resto da cama. Sabiam que viria neste mês, Fevereiro, mas lá próximo do outro mês, pensavam que seria de peixe e não aquário, o filho que Talita carrega em sua barriga, Carlos. Este seria o nome do bebê, já estava decidido desde o 4º ultra-som.

Douglas tem 32 anos, formado em direito, aprovado na OAB desde o término da faculdade, tem um ótimo emprego em um escritório de advocacia na Av. Paulista que atende principalmente empresas estrangeiras, fala um bom português, inglês e alemão, gosta muito de música progressiva, dentre eles, o seu favorito é Pink Floyd, é considerado um homem de ambição e de muita astúcia por seus vínculos de relacionamento e tem uma mulher belíssima. Talita tem 35 anos, mestre em administração pela PUC, trabalha na diretoria de administração de uma grande empresa de cosméticos e tem uma personalidade um tanto quanto engenhosa. Um belo casal aos olhos das pessoas do seus cotidianos.

Uma história um tanto comum em como se conheceram, namoraram e se casaram, se é que tem algo comum em quando duas pessoas se juntam, pois, sim, é algo mágico !

Mas o casamento não vinha, nos 2 últimos anos, em bons sons e gostos ao paladar e ouvidos dos companheiros. O principal motivo das desavenças era a rotina, famosa por muitas brigas em diversos relacionamentos, que o casal começou a confrontar quando Douglas tinha 28 anos, logo após o casamento. Começou com a falta de "carinho" de Douglas, descuidou muito da mulher quando trazia trabalho para casa, algo nada raro, mas que Talita no começo do relacionamento, no namoro, achou o fato de seu companheiro ser tão dedicado ao trabalho uma ótima qualidade, sentia-se segura financeiramente, não achou que viraria um problema. Aos poucos também foi magoando seu companheiro, insinuando a seu respeito e deixando as coisas a meia luz e subentendidas, mas sempre consciente do que estava fazendo, porém começou a machuca-lo tanto que com o passar do tempo não lembrava mais o porque de tais implicâncias.

O tempo foi passando e as picuinhas, discussões, as caras amarradas e diferenças foram surgindo com tanta frequência que acabaram traindo um ao outro, não só fisicamente mas também moralmente e sentimentalmente, e assim, por absurdo que pareça, começaram a se tratar melhor, talves por saberem da infidelidade de suas partes.

A notícia em Agosto, do feto que Talita carregava, reatou a cumplicidade e a paixão do casal em tal forma que se alimentavam um dos olhos do outro. Talita ficou radiante e de uma beleza que só as gestantes irradiam. Seu marido suspirava, pelos cantos do trabalho, de ansiedade para ver sua mulher. Este maravilhoso acontecimento veio pra reatar as pontas que se soltaram do casamento, pensavam os companheiros.

Douglas fez um quarto para a criança, colocou a bandeira do Corinthians, um berço, chocalhos e etc. e tals. Imaginava o na escola como um dos melhores alunos e com bons relacionamentos com garotas, pensava que seria duro com ele para ele ser bom na escola, pensava em trabalhar mais para dar de tudo e do melhor a sua criança e planejava um futuro maravilhoso para seu filho.

Talita matutava que foi o melhor momento para ela e seu marido tivessem um filho, que Carlos fosse um anjo que veio para salva-lá, pensava em seu filho como um super herói, que seria o exemplar para outras mães e faria de tudo para preserva-lo, como toda mãe.

O relógio marca 5:30 agora, Talita na maca comprime o ventre afim de por pra fora o seu filho aquariano. Douglas filma o parto e ao mesmo tempo incentiva a mulher, que já esta roxa de tanta força. Após 1/2 hora, finalmente, Talita, exausta, se preparada para receber em seus braços Carlos e olha para seu marido que chora de felicidade com tal veracidade que a comove também. A enfermeira, em passos amistosos, traz a criança e acaba com a ansiedade do casal que abraça o filho como se quisessem se unir a ele. Carlos não aparenta estar desesperado igual a um recem nascido, pois esta com os olhos meios serrados pela claridade mas lúcidos e atento a seus pais. Os olhos da criança olha para mãe e para o pai e parece entender o mundo deles. Carlos, como por escolha, morre nos braços de sua mãe.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

eeeeee josé !

Dias após dias, se controla pra não sair pela a porta da sala, que da nas ruas, e fugir, correr para o nada e mergulhar na chuva ou nas nuvens do céu.
Não entende como podem viver, sem compreender ou compreendendo, que seja, no que a nossa sociedade contemporânea faz com ela própria ou aceita-lá. Há dois tipos de homem nesta sociedade, aqueles que fazem seu mundo, que criam, e aqueles que aceita de cabeça baixa. Não acha justo (se é que há justiça de um homem criado nos conceitos de algo que o fez ter a percepção de justiça e acha-la injusta) os dois tipos de homem, pois um homem que cria o mundo, seja por uma tirania, pelo desdém do segundo tipo de homem, por convencer que é melhor do que está fora dele ou por alto ego, vive em um mundo ilusório de ordem e paz, mas o que este homem não sabe é que quando alguém que é ligada ao mundo externo, fora de sua bolha, ou algum desdenhado perturba este mundo acaba-se voltando a realidade e não terá o mesmo sons reconfortantes das suas músicas preferidas, querendo justiça a qualquer preço. E o segundo tipo de homem não há muito o que falar, está explicito nos olhos deles.
Estes pensamentos, que foram explícitos com palavras, fizeram José pensar sobre o assunto, que discutira com seu amigo de bar, João, a uma semana a traz. Discutir não, era mais um monólogo de João, pois José só assentia ou emitia sons de concordância - humm - e com cenho enrugado, mas compreendia tudo o que seu companheiro dizia, porém não sabia o que falar. João parecia saber o que falava, estudava Ciências Sociais na USP, não deveria estar falando besteira pensava José.
José é formado em Engenharia Mecânica, trabalha no ramo, ganha um bom troco, o suficiente para sair das barras de saia de seus pais, mora em um apartamento no centro, mas trabalha sem carga horária, pois é solicitado a qualquer hora para arrumar alguma máquina, inclusive em feriados e fins de semana. Tem bons amigos, alguns de infância outros do ensino médio e faculdade, é casado com uma Consultora de S.C., da seus pulos pela cerca, têm um casal de filhos, visita seus pais aos domingos, quando pode, bebe sua cerveja sempre com os amigos, quando sabe que não vai trabalhar, gosta de falar sobre futebol, notícias do jornal e mulheres, adora comprar produtos de tecnologia e roupas, suas músicas preferidas são da época de seu ensino médio e tem um belo carro em sua garagem. Tudo em sua vida vai bem, mas falta algo que não sabe o que é, algo a mais pensa ele
José matutou com seus botões a semana inteira, sobre o monólogo de seu amigo, chegou a uma conclusão e pensou em voz alta:
-Haverá um troco !

domingo, 4 de janeiro de 2009

A esmo

Vestia um casaco de camurça marrom, apenas um botão estava desabotuado, junto a um Jean azul marinho desbotado, com um rasgo na metade da coxa direita e com as barras comidas por andar em cima delas. Andava a esmo subindo pela rua Augusta, sentindo a Av. Paulista, com um cigarro aceso na boca, cabeça meio reclinada para o chão e com suas mão nos bolso do casaco, ainda não sabia o que fazer.
Estava frio em São Paulo, cerca de 10 °C, sua caminhada ainda não havia o esquentado, e resolveu, por fim, parar em algum lugar para tomar alguns trago. Avistou uma padaria e logo se aconchego perto do balcão virando-se a rua, que ia acendendo suas luzes, pois a noite já estava por vir.
-Boa tarde patrão, vai do que?- perguntou o garçom, de traz do balcão secando as mãos em seu avental.
Palo o olhou com um sorriso no rosto, achou engraçado ser chamado de patrão.
-Hum... não sei, o que tem de forte?
O garçom, que vinha do nordeste, disse sem respirar e muito rapidamente ao passo que Palo compreendeu só o primeiro "drink".
-Rabo de galo, Bomberinho, Pinga com Limão, Pinga com mel, Conhaque, Whisky, Rum...
Palo o olhou e pronuncio interrompendo-o:
-Blah... não sei o que pedir, quero algo quente mas que não me deixe alto rápido.
-Contine, pode ser?
-Claro.
A padaria já acumulava uma quantidade de pessoas, em especial de meia idade e apenas homens, todos sentados em grupos em volta de mesas de plásticos, todos bebendo cervejas, todos fazendo Happy Hour e todos felizes é o que pensava Palo ao passar os olhos para dentro ao se virar novamente para a rua.
Já havia bebido 3/4 de seu trago vendo pessoas passarem pela rua. Eram jovens que desciam e subiam a rua já iluminada pelos postes de luzes, a maioria estudantes de faculdade com rumos certos para a noite, alguns paravam pelos bares a esperar suas companhia, iriam se divertir ali mesmo na rua Augusta, e outros passavam fumando seus "becks".
Bebeu o resto do líquido de seu copo, acendeu um cigarro, Marlboro, com seu zippo e virou-se para o garçom:
-Opa ! - o garçom veio limpando o balcão sorrindo - se pode repetir as bebidas?
Novamente o garçom vomitou o cardápio de bebidas, Palo se sentiu muito desconfortável com isso, porém o homem, de baixa estatura, do balcão mudou a ordem das bebidas começou com Vodka. Pediu Vodka com soda.
-Tá na mão patrão ! - Disse o garçom depositando a lata de soda e um copo com vodka.Palo achou graça novamente no "patrão", tragou forte duas vezes seu cigarro e misturou as bebidas no copo.
Foi bebericando seu "goro" e ao olhar novamente para dentro da padaria, que já estava lotada, observou uma figura incomum a 1 hora a traz, uma mulher. Estava vestindo roupas de verão que mostrava, e muito, suas qualidades, saia, uma "blusinha" com decote e salto alto, era uma prostituta que estava comprando cigarro.
Palo a olhava, sem muito interesse, porém como por um impulso a mulher, que estava abrindo seu maço, olhou fixamente para Palo, chegando a constrangi-lo por 1 segundo, e então, com passos amistosos e olhar fixo ao dele, caminhou em sua direção:
-Hey garotão, fogo?- disse a mulher fazendo sinal de como se acendesse um esquero imaginário.
Palo riu, achou engraçado o sinal, e acendeu o cigarro da prostituta sem passar o zippo para ela. A mulher tragou forte e depois soltou a fumaça fazendo barulho -uufffffsssssss- fintando os olhos azuis de seu doador de fogo por alguns segundos, sorriu e declinou seu corpo para mais perto e disse baixo ao seu ouvido:
-Casa 516 !
A dama da noite saiu do pé de seu ouvindo sorrindo e dando-lhe as costas partiu  rebolando  o quadril. Ela sabia que era bela e também escolher seus homens solitários, porém Palo era diferente, solitário, mas não deste tipo de solidão.
Virou-se para rua e percebeu outras personalidades, eram pessoas indiferentes, vagavam na rua homens gargalhando em bom som, grupos de jovens indo a seus "esquentas" e elementos esquisitos, suspeitos, vendedores de drogas, que Palo os imaginavam com sobre-tudo escondidos nas sombras, apesar de sempre estarem com aparencia comum e se portavam com certa simpatia. Tomou em um só gole seu copo e ficou a contemplar a rua por minutos.
Olhou para o relógio, que se encontrava em cima do balcão ao lado do caixa, que marcava 9 horas e 30 minutos, horário de verão, bufou - blah - esticou o copo até encontrar a pia do outro lado do balcão, puxou mais um cigarro do maço, que já estava quase vazio, e fumou trocando o apoio das pernas que já estvam cansadas, direita, esquerda, direita, esquerda...
Logo após terminar seu cigarro olhou novamente para o garçom, pensou em perguntar as bebidas que serviam novamente, mas desistiu lembrando das palavras regurgitadas do garçom, tentou ir para o caixa, porém foi impedido por uma briga entre um grupo de homens que discutia feroz mente com os 2 caixas e o dono da padaria, pensavam eles que na conta foram aderidas mais cerveja que haviam pedido, era um grupo muito grande de homens que bebiam naquela mesa, cerca de 13, mas a conta realmente extrapolava, 192 reais e alguns centavos. Palo, em pensamento, concordava com os clientes que protestavam, pois em outras ocasiões aconteceram a mesma perturbação, sabia que ao ver os clientes em grande número os donos acrescentavam números a mais ao fechar a conta. Farto da briga, que já estendia-se por vários minutos, voltou a sua posição de início e disse ao garçom:
-Vai longe- olhando para a multidão da padaria - bota uma pinga com mel ai pra mim !
-Pra já - disse o garçom
Ao chegar seu "mel" puxou para perto o copo e cheirou arrepiando-se todo.
Na rua passavam carros bonitos e também latas velhas, pessoas a pé, em grupos ou sozinhas, os minutos se arrastaram com velocidade impressionante, a briga continuava. Palo tomou em um gole só sua bebida, fazendo os pelos dos braços arrepiarem, pediu a mesma dose novamente acendendo um cigarro.
O relógio marcava 11 horas agora. A discussão já havia cessado, Palo bebeu o resto de sua "maldita" e caminhou até o caixa precisando empurrar 3 homens bêbados para que dessem passagem, chegou no caixa e pagou sua dívida. Saiu acendendo seu último cigarro em direção ao metro Brigadeiro, pensou em Bukowisk, no livro e no filme que assistiu a dias a traz, Factatum, e nos últimos pensamentos de Chinask no filme, não sabia se era o Bukowisk que havia escrito, mas se sentiu reconfortável com as palavras lembradas.





quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Merry Christmas and a happy new year

Uma volta completa em torno do sol.

O tempo determinado por 365 dias.

Um ano !


Apenas os sábios sabem dosar aquilo que para maioria de nós é, por muitas vezes, um martírio.

Aprenda que ele não volta, mas faz novos caminhos que se entrelação de novo, pode ter certeza, e seguiram caminhos iguais ou diferentes, não importa na absoluta verdade porque será bom e recompensador ambos !



segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Caracóis

No começo eram lisos, poderia dar pequenos nós que logo se desmanchariam, longos e na cor de bronze. Eu não os cuidava, mas mesmo assim eram lindos a muitos olhos, acho eu.

Na época, eu tinha uma empatia ao revolucionário e rebeldia, muito a uma teimosia sem pretensões.




Depois ficou ondulado ( acho por ter raspado logo após uma tentativa, sem exito, de um amigo corta-lo ) !

Meus pensamentos faziam revoluções em minhas atitudes, conflitos internos, amores e eventuais porres.




Agora encaracolados !

Pensamentos vagos e humildes, atitudes solitárias (agora mais do que nunca), 2º fase FUVEST, um corre corre pra lá e pra cá e fumaça.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sabe de uma coisa...


fodam-se...


Eu vivo muito bem apenas com os livros, minhas caminhadas, minhas esquisitices e planos solitários !


Sempre a mesmas mesmice .

Sempre nos verões...


Chego a ter raiva, por isso... foda-se ! se não eu vou me consumir por todo.

E vai chegar uma hora, que como sempre, vou perdoar.



é.... foda-se estes meus amores !


terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Subsolo


Não são os fins e sim os meios.


Volto a dizer, gosto tanto de pisar em ovos. Alias todos nós gostamos !

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

mistério !


Há uma voz em nossas pessoas, alguns a chamam de consciência, outras de razão ou índole, mas eu a chamo de força, não força física ou de animo, tão pouco de vontade. Acho que é uma voz diferente as citadas por qualquer filósofo ou ancião.


Ela por sua vez é oniciênte a tudo, seja qualquer for a questão, e não depende de situações, sentimento ou acontecimentos alheios. Como se ela pudesse nos falar sobre a questão do número 42, "da vida, do universo e de tudo mais", com tal clareza que todas as noites seriam noites de verão ou de inverno, como preferirem.


Com os passos calmos e tranquilo vou a escutando mais nitidamente e aprendendo sua complexidade. A sensação é de medo, um medo gostoso (não sei exemplificar o que sinto na verdade).




É um caminho entre as geleiras mais frias e contra o fluxo das pessoas, mas é digno os que a seguem !

terça-feira, 25 de novembro de 2008

caminhos...


é estranho...


Quente, muito quente, como a troca de calor entre humanos, mas não é de agrado.


Desprovido de emoções.


Temperos que ao passar dos anos passam a se tornar parte de nossos corpos, e o gosto de nossas peles serão o mesmos de nossos pratos.






é por tais que tenho a apreciar o imprevisto, o medo, o desconforto. São estes temperos e trocas de calor que me faz salivar.


...eu gosto tanto de pisar em ovos !

sábado, 22 de novembro de 2008

ééééé....

O tempo passa...
Segundos, minutos, horas, dias, semanas...

A minutos a tras saem 4 pessoas de minha casa, 1 apenas sai com seu ego prepotente !
Prepotente entre aspas !
Pois com suas palavras diz o quanto não é prepotente e sim inseguro !
Sei lá, talvez incompreendido !
Não consigo ver através da máscara. Mas vejo seus olhos e sua boca. Sim por mais que se esconda ainda no pensamento o vejo !
Sua respiração, escuta-se de longe.
Amador !


e eu...
eu...
é... eu...


"Se vai tentar siga em frente. Senão, nem começe!
Isso pode significar perder namoradas, esposas, família, trabalho...e talvez a cabeça. Pode significar ficar sem comer por dias.
Pode significar congelar em um parque, pode significar cadeia, pode significar caçoadas, desolação... a desolação é o presente.
O resto é uma prova de sua paciência,do quanto realmente quis fazer.
E farei, apesar do menosprezo.
E será melhor que qualquer coisa que possa imaginar.
Se vai tentar, Vá em frente.
Não há outro sentimento como este.
Ficará sozinho com os Deuses
E as noites serão quentes, levará a vida com um sorriso perfeito.
É a única coisa que vale a pena."
Charles Bukowski

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Bukowski


Não sei o que dizer...
Não sei se gostei ou detestei.
Dei muita risada !

Ao ler o livro, de contos e histórias de sua vida, tenho a impressão de saber o porque de muita gente gostar do alemão.

é... acho que gostei dele sim !
Todos temos um pouco de Charles Bukowki.
Um pouco não, muito !



( "onde é que se arranjo esses grandes olhos azuis?"
"eu mesmo que fiz!"
"é."
"tô sabendo"
"os teus olhos são são azuis."
"não, são verdes!"
"bem, talvez seja a luz. a luz não tá legal aqui dentro."
"foi você mesmo que fez os seus olhos?"
"eu acho que tive uma pequena ajuda."
"eu mesma fiz o meus olhos, e minhas mãos e o meu nariz e os meus pés e os meus cotovelos. isso tudo"
"às vezes eu acho que você tem razão."
"e os teus olhos são azuis!"
"tá legal, os meus olhos são azuis."
"eu peidei ! ha, ha ,ha ! eu peidei!"
"mesmo?"
"hã, hã !"
"que fazer cocô?"
"NÃO!"
"há horas que você não faz xixi. tem alguma coisa errada com você?"
"não. tem alguma coisa errada com você?"
"não sei."
"por que?"
"não sei por quê"
"que horas são?"
"ainda são 6:35"
"agora que horas são?"
"ainda são 6:35"
"que horas são agora?"
"6:35"
"UAUAU!"
"o quê?"
"eu disse UAUAU! UAUAU! UAUAU!"
"escuta - vai lá e me traz uma cerveja"
"tudo bem..."
"mami viu Danny, mami viu Bill, mami viu Gene."
"tá legal, deixa eu beber minha cerveja"
ela sai correndo e começa a enfiar blocos, clips de papel, elástico, cordas de extensão, selos, envelopes, anúncios e uma pequena estátua de Boris Karloff na sua bolsa. eu sigo bebendo minha cerveja. )

pois é, há muito sentimento !

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Voa pensamentos...

Estranho saber que depois de anos sabendo sua teoria é agora que entendo seu sentindo, estimulo e intenção do ato de fazer planos, pois agora vejo um futuro, brilhante.


Quase um eremita na questão, porque meus planos era para momentos, situações, pessoais e momentâneas, sempre estimulei as pessoas ao planejamento, com um ar de sabedoria. Sim, eu sabia o que estava dizendo mas nunca os tinha feito ou concluído, assim como Aureliano que nunca havia passado por muitos lugares, por sua infinita sabedoria, conhecia estes habitats como fossem sua casa, como um nativo.
Penso, agora, que por falta de estimulo e uma prepotência de tentar, e por muitas vezes estar certo de outro modo não seria de tal maneira, prever os acontecimentos e fins nunca os tinha traçado. Aonde para mim qualquer lugar era lugar, um caminho era apenas mais um e que cada passo dado era mais um para não ficar parado.

Livre de preconceitos e moralismo vou traçando agora meu desenho, e talvez, por uma anemia ou o tremular da mão por ataques cardíacos, algumas linhas saiam tortas, grandes ou pequenas, fracas ou marcadas, porque é muito mais firme o desenho dos pensamentos que das mãos. Mas no fim o que importa é o desenho, a imagem que quero mostrar !





"...quem não tem planos não tem nada..."

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Cem anos de Solidão

Em meio a tempos de aflição, angústia e pensamentos perdidos tentei reler o livro de Gabriel, mas talvez por estar em conflito não conseguia dar a atenção devida ao livro e abandonei a leitura, nem sequer tive estimulo próprio para chegar a grande guerra do Coronel Aureliano Buéndia.
Devido a circunstância do dinheiro, por não ter outra opção, acabei por perturbar sua inércia na estante e novamente, assim como no 2º ano, senti o enorme prazer em ler o livro ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 1982. Não que os tempos mudaram, pois as mudanças não estão no tempo e sim em nos mesmos, mas agora consigui muito mais do livro.
Meu exemplar está velho, com páginas a cair, deterioradas por um longo estado de repouso, amarelado e com a capa se desprendendo de seu conteúdo, ou seja, deve-se ter muito cuidado ao manipula-lo assim como a história que a preenche.
Descobri que tenho uma tal afeição ao livro que chego a sonhar com Macondo e seus habitantes, e estranhamente Melquiades sempre esta neles como se em seus pergaminhos estivesse minha história.
Agradeço aos autores dos livros que ultimamente fazem o meu universo, agradeço a Márquez.

domingo, 9 de novembro de 2008


Dizem que o cachorro é a imagem, espelho, do dono, e comprovo isso ao ver os cachorros de conhecidos que de uma certa forma tem o mesmo temperamentos que os donos, comigo porém a história é outra. No qual quando olhos para os dois nunca vi diferença de suas atitudes desde quando chegaram em casa, ainda sem o primeiro banho e tamanhos que cabiam na palma de minha mão.
Aprendi a ser calmo, distinto, esperançoso, quieto e gentil com o mais velho e com o mais novo concedeu-me malandragem, astúcia, agilidade e prepotência.
Fui eu que roubei suas personalidades.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

"...e dentro de cada poça..."

"... A água era fria e me lembrei de que no dia anterior, de manhã, na hora do casamento, tinha chovido forte, e pensei que de tarde, quando fosse até o parque como sempre, talvez ainda encontrasse uma poça d'agua pelos caminhozinhos... e dentro de cada poça, por menos que fosse, haveria o céu... o céu que às vezes um passarinho desmanchava... um passarinho que tinha sede e sem saber desmanchava o céu da água com o bico... ou alguns passarinhos escandalosos que desciam das folhas como raios, se enfiavam na poça, tomavam banho com as penas arrepiadas e desmanchavam o céu com barra e bico e asas. Contentes... " ( A Praça do Diamante - Mercè Rodorreda )

sábado, 1 de novembro de 2008

Sem cigarros...

Carros andam com destinos certos, alguns correm outros não se apressão. Procurão por novos gostos, sentimentos e oportunidades. O dia que tentam esquecer o que fazem nos seus "cinco dias úteis".
É sábado a noite.
Em meio a tantos desejos de que a madrugada não acabe, danças, flertes, drogas, álcool e entre tantas sensações eu me aconchego em casa num certo aborrecimento. Tal estado não vem de saber que São Paulo, em modo generalizado, vem a ser, em um sábado a noite, um lugar de alegria e de prazeres e que, assim sendo, eu não estou nesta "roda gigante" e sim pelo motivo de que estes prazeres da "algazarra" já não me contentão mais.
É um gosto estranho saber que uma cidade vem a ter espasmos de alegria por chegar tal dia e eu não, é como se se eu tivesse fugido as regras, do padrão e da normalidade. Por vezes tento me juntar a agitação mas com raríssimas excessão concilio me a massa e sempre volto pra casa com uma certa sensação de arrependimento, como se eu houvesse perdido um tempo que não posso perder.
E os sábados a noite sem cigarros... Ah estes são os piores !

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

"Deus esta na chuva"

Ela perdoa, satisfaz, intriga, presencia, ignora. Pois ela é tudo, ela é Deus !

"Jamais se desespere em meio as sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda." (Provérbio Chinês)

"Se eu fosse a chuva poderia eu me conectar com o coração de alguém assim como ela pode unir os eternamente separados, terra e céu !" (Kubo Tit)

"Caem no telhado gotas de chuva ritmadas: fresca batucada."

"Chuva cai lá fora. No batuque das goteiras. Eu durmo tranqüilo."

"Alguns pressentem a chuva; outros contentam-se em molhar-se." (Henry Miller)

sábado, 25 de outubro de 2008

Ahhh nãooo... eu acredito nas músicas !

Um sentimento estranho assombra-me por estes dias incomuns, apesar de gostar muito da cor cinza, os dias estão cinzento, apáticos e frios, como os copos de leite que tomo ao sair do calor do cobertor pelas manhãs.
Sempre tive orgulho de estar sozinho, sejam nas atitudes solitárias que tomo ou na solidão do companheirismo, pois sempre gostei da sensação de realizar feitos sem ajuda de ninguém (não que isso remeta que eu seja egoísta e sim pelo contrário), mas os dias estão com o ar diferente e por tal sensação sinto falta de algo que tive. Algo como uma mão em meus cabelos, uma cama dividida, palavras de ensentivo e afeto, a companhia de um amigo, sentar na esquina, momentos que não me lhe faziam falta e que nas tais circunstância estão pesando mais do que valeriam para mim.
Atitudes levam a caminhos, e me vem a cabeça nestes dias que as minhas não foram uma boa opção para mim e sim para os outros.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Admirável Mundo Novo


Um dos melhores, ou o melhor, livro que li. Na verdade não li ainda ele todo, mas já caminho para o desfecho final.

Engoli o livro, cabulei até aula para lê lo, igualmente ou até mais de quando li "As Vinhas da Ira ". Deliciei-me com algo escrito na década de 30 e que ainda hoje traz questionamento.

Lindo, maravilhoso, profético e encantador.

Entretanto ha discordância por várias pessoas que conversei sobre o livro, visão diferentes, porém com um ponto comum, o do autor ser uma pessoa a frente de seu tempo.

Enfim, leiam !

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Calmo...


"Porque se chamavam homens,

também se chamavam sonhos

e os sonhos não envelhecem.

Em meio a tantos gases lacrimogéneos ficam calmos.
(...)
Basta contar compassos,
basta contar consigo,
que a chama não tem pavio (...) "
(Clube da Esquina nº2)

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

A disputa...


Não há bem ou mal, apenas visões diferentes, contudo nas ações tomadas pelas visões se classificam em bem ou mal.
Andamos juntos, temos amigos em comum, jogamos bola, damos risada, bebemos e por isso e outros motivos, nós mesmos e alheios, consideramos amigo um do outro. Mas por tamanha diferença de opiniões somos rivais e por muitas vezes temos raiva um do outro a ponto de planejar ações para demonstra-las.
Considero-o mais inteligente, com reflexos rápidos, sobretudo indivisível e prepotente. Enquanto isso por muitas vezes a doto uma postura calma e onisciente de tudo o que me diz, e pelo seus argumentos vejo sobras aonde exploro, porque não argumento mais pela sua prepotência. A doto mais uma postura cómica a suas palavras, debochando com situações descritas ou feitas por ele que contradiz a sua fala no momento, pois pra ele o que vale é o momento e não a atitude tomada.
Talvez ele saiba esquecer e eu só sei viver pelo que vivi.
"Isso é o que acontece quando uma força que não se pode parar encontra um objeto imóvel."

Boriz (Barack Obama)

Max (el touro)